PLANEJANDO O MUSEU DA UNIFAL-MG: A RELAÇÃO DOS DISCENTES COM O PATRIMÔNIO E A MEMÓRIA DA UNIFAL-MG

Apresentação
Para preservação da memória e do patrimônio da instituição foi criado o Museu da Memória e Patrimônio da Universidade Federal de Alfenas – MMP-UNIFAL-MG. Nosso museu necessita e tem contado com a participação direta de membros da comunidade acadêmica da UNIFAL-MG e externa a nossa Universidade no planejamento e execução de atividades básicas de um museu. O projeto de extensão "Planejando o Museu da UNIFAL-MG: a relação dos discentes com o Patrimônio e a Memória da UNIFAL-MG" tem sido desenvolvido desde 2008 e tem atingido seus objetivos no gerenciamento de nossas atividades. Durante o ano de 2019, manteremos a proposta de sempre envolver discentes, docentes e membros da comunidade externa na catalogação do acervo; na montagem de novas exposições (de curta duração e itinerante); e nas atividades “Uma Noite no Museu” e o “Museu e a Feira”, essas duas últimas com intuito de promover o MMP-UNIFAL-MG.

Introdução
Para preservação da memória e do patrimônio da instituição foi criado o Museu da Memória e Patrimônio da Universidade Federal de Alfenas – MMP-UNIFAL-MG. Nosso museu necessita e tem contado com a participação direta de membros da comunidade acadêmica da UNIFAL-MG e externa a nossa Universidade no planejamento e execução de atividades básicas de um museu. O projeto de extensão "Planejando o Museu da UNIFAL-MG: a relação dos discentes com o Patrimônio e a Memória da UNIFAL-MG" tem sido desenvolvido desde 2008 e tem atingido seus objetivos no gerenciamento de nossas atividades: exposições de curta e longa duração; catalogação do acervo do MMP-UNIFAL-MG; e eventos acadêmicos, culturais e museais. Durante o ano de 2019, manteremos a proposta de sempre envolver discentes, docentes e membros da comunidade externa na catalogação do acervo; na montagem de novas exposições (de curta duração e itinerante); e nas atividades “Uma Noite no Museu” e o “Museu e a Feira”, essas duas últimas com intuito de promover o MMP-UNIFAL-MG. Assim, a imensa responsabilidade de implantar e consolidar um museu que atenda a demanda da Universidade Federal de Alfenas, considerando seu acervo e as exposições que são elaboradas e apresentadas, torna-se também um prazer dividido por ver resultados e impactos na própria comunidade e mais: na vida de cada voluntário. Tal participação não beneficia somente o MMP-UNIFAL-MG, mas também propicia todo um potencial que a participação na implantação e gestão de um museu pode gerar na formação de um indivíduo, seja no âmbito cultural e/ou social.

Objetivo Geral
Viabilizar a participação de discentes e membros da comunidade externa nas atividades de gestão e promoção do MMP-UNIFAL-MG.

Objetivos Específicos
Promover um envolvimento dos discentes, docentes, funcionários e moradores do Município e da Região com a Cultura, o Patrimônio e a Memória da Universidade; Intensificar as atividades de pesquisa, catalogação e documentação do acervo do MMP- UNIFAL-MG; Divulgar o acervo, buscando sua identificação junto ao público como parte integrante de seu patrimônio cultural, a partir de exposições e atividades desenvolvidas e elaboradas pelo coletivo.

Justificativa
Aos museus contemporâneos têm sido lançados diferentes desafios. Muito tem se falado em democratizar o acesso e a própria forma de construção dos museus mas, ao pensarmos no termo, subentende-se que este processo trata-se de uma abertura daquele que detém o poder para aquele que não possui. Mas seria exatamente isto? Não seriam os museus construídos pelo próprio social? Se assim pensarmos, temos duas premissas: ou a democratização já é efetiva ou os museus são construídos por entes que estão longe de fazer parte e/ou dialogar com a sociedade a que se referem. De fato, museus são construídos pelo social e não é uma ou outra coisa, mas algo que tramita entre estas premissas. Museus são construídos na relação entre os que elaboram o processo e o momento da visitação de quem adentra suas portas. Os primeiros – os que elaboram o processo – estão inseridos, de uma forma ou de outra, na sociedade a que esses museus dizem respeito. Mas isto não significa que os idealizadores dialogam, efetivamente, com cada um que conhece a narrativa de um museu por meio de suas exposições ou ações. Ainda, a ideia de “democratizar o acesso” nos parece imbuída de um sentido de que somos os detentores do poder da fala e, especificamente no nosso caso, da construção de narrativas museais e, gentilmente, estamos permitindo que “os de fora” possam participar deste processo. O que de fato “democratizar” aponta é para a instauração de uma relação democrática que corresponderia, efetivamente, a constituição de museus que pertencem ao social. Se entendemos, em uma amplitude do conceito, Museu como uma relação bem específica ocorrida nas esferas do particular e social, entre o “Eu” e “Outro”, em um processo contínuo de identidade/identificação, atemporal, é possível compreender que cada pessoa se relacionará com o museu de forma particular, distinta. Ainda, se consideramos que cada museu corresponde a um tipo de sociedade/comunidade e se este museu busca dialogar com essa, as chances do museu afetar – no sentido literal do termo – serão inúmeras. No dia 20 de março de 2009 a Comissão do Museu da UNIFAL-MG votou e aprovou o nome de Museu da Memória e Patrimônio da Universidade Federal de Alfenas para nomear um museu que ainda não existia fisicamente. A ideia desse nome era para que ficasse explícito o principal interesse desse museu: a preservação da memória institucional e dos distintos patrimônios e relações de interesse da Universidade Federal de Alfenas. Reforçamos, portanto, a relação que essa última instituição tem estabelecido com a instância patrimônio por meio do seu museu – nesse caso, o artigo possessivo refere-se exatamente ao sentido de “posse”, “propriedade”, já que trata-se primordialmente de um museu voltado para a celebração dos patrimônios da universidade. O projeto, ao longo de seus dez anos, teve auxílio da Pró-Reitoria de Extensão em bolsas desde 2009 até 2017. Com relação aos alunos, a partir das atividades desenvolvidas nesse projeto, esses estabelecem relações com o Patrimônio e com a Memória não só da Universidade, mas também com o Patrimônio e a Memória de seus cursos de graduação. Tal possibilidade se dá ao percebermos que museus não são necessariamente espaços onde se encontram objetos antigos expostos, mas podem ser espaços de aprendizagem não-formal; de experimentação, de pesquisa e produção de conhecimento, espaços indutores de debates, de ciclos, de vivências e relações com os diferentes indivíduos que adentram suas portas. No caso dos eventos acadêmicos promovidos no âmbito desse projeto, o coletivo de profissionais e interessados da cultura da região sul mineira teve acesso a convidados tanto do exterior (tal como Uruguai, Argentina, Espanha, Armênia e Irã) quanto referências nacionais de estados como Belém, Alagoas, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, entre outros. No âmbito das visitas técnicas, abertas a qualquer pessoa da comunidade, já foram visitados os seguintes locais: bens tombados de Alfenas; Divisa Nova; Ouro Preto, Mariana, Inhotim, Rio de Janeiro, Paraty, Petrópolis, São João del-Rei e Tiradentes. E, pensando em estreitar sua relação com o público, no mês de julho de 2014 o MMP-UNIFAL-MG iniciou as atividades “Uma Noite no Museu” e “O Museu e a Feira” – atividades essas que foram pensadas e elaboradas pelo coletivo de voluntários do museu. Essas atividades, que em 2017 têm ocorrido de forma temática, são ações que causam impactos não somente para a cidade de Alfenas mas também nas cidades circunvizinhas, e tem média de visitação de 70 pessoas por fim de semana - público de número considerável, considerando as dimensões do local e os números populacionais.

Beneficiário
O projeto se destina primordialmente a convocar e despertar o interesse de discentes, de qualquer um dos cursos, e de membros da comunidade externa na participação da gestão do MMP-UNIFAL-MG.