NUTRIR ARTE: OFICINAS CULINÁRIAS LÚDICAS COMO ESTRATÉGIA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Apresentação
A renovação do presente projeto tem como o objetivo a continuidade das ações de educação e promoção de saúde e alimentação saudável no Centro Municipal de Educação Infantil (CEMEI) Professor Pedro Paulo Csizmar de Oliveira e na comunidade do entorno, utilizando as oficinas culinárias como estratégia de Educação alimentar e nutricional. O projeto , que faz parte do PROGRAMA AGROECOLOGIA, EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SOBERANIA ALIMENTAR, PREAE: 3498, derivou-se do projeto de extensão HORTA COMUNITÁRIA PARA PROMOÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL sob a coordenação do Prof. Dr. Breno Régis Santos (ICN/UNIFAL-MG.) com vistas a ampliar a atuação em oficinas culinárias associadas a atividades lúdicas como teatro, jogos e brincadeiras inseridas juntamente com a horta comunitária existente no CEMEI.

Introdução
A alimentação saudável, de fácil acesso, de qualidade e em quantidade suficiente, de forma permanente, é direito de todos. A Lei Orgânica de Segurança Alimentar (LOSAN nº 11.346) afirma que a segurança alimentar e nutricional (SAN) consiste “na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras da saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica esocialmente sustentáveis”, (BRASIL, 2006). Sendo assim, deve ser totalmente baseada em boas práticas alimentares e promotoras da saúde, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais para viver (BRASIL, 2016). A Educação Alimentar e Nutricional (EAN) faz parte de um conjunto de estratégias criadas para promover a alimentação adequada e saudável. A prática da EAN deve fazer uso de abordagens e recursos educacionais problematizadores e ativos com o intuito de favorecer o diálogo junto a indivíduos e grupos populacionais,considerando todas as fases do curso da vida, etapas do sistema alimentar e as interações e significados que compõem o comportamento alimentar (IDEIAS NA MESA, 2017). A EAN consolida-se como uma atividade estratégica no atual cenário de transição nutricional, nas políticas e programas e avança conceitualmente para uma concepção que reconhece a ação educativa como processo e incorpora o conceito ampliado de saúde, o diálogo e diversidade de saberes, a integralidade e sustentabilidade do sistema alimentar, a autonomia do sujeito, a intersetorialidade, a valorização da cultura alimentar considerando o alimento, a comida e a culinária como referências (BRASIL, 2012). Uma das estratégias para promoção de hábitos saudáveis dentro da EAN são as oficinas culinárias. Esta estratégia vem sido utilizada com maior destaque, pois de acordo o Marco de Referência de EAN para as políticas públicas (2012), ressalta-se a valorização do ato de cozinhar como um dos princípios norteadores de EAN. Isto se deve a capacidade das oficinas em gerar autonomia, permitir o desenvolvimento de informações técnicas na prática e ampliar o conjunto de possibilidades dos indivíduos, além de facilitar a reflexão e o exercício das dimensões sensoriais, cognitivas e simbólicas da alimentação (BRASIL, 2012).O consumidor, confuso em meio a uma gama de alimentos e serviços, delivery, fast food, congelados, produtos diet/light, funcionais,- tenta buscar pela alimentação e corpo saudáveis (MALDONADO, 2015). Neste contexto, o profissional da área de Nutrição tem como desafio aliar todas as vertentes da alimentação, buscando atingir uma alimentação saudável, que não perca suas características sensoriais, que seja prática e conveniente. Como forma de realizar este processo de associar o indivíduo ao alimento, a culinária vem sendo apontada como uma ferramenta estratégica de EAN. A culinária permite articular ciência e cotidiano, formação teórica e prática, e alimentação e cultura. As mudanças nas necessidades nutricionais e nos comportamentos sociais surgidos nas diferentes fases do curso da vida também podem ser exploradas e traduzidas por meio da culinária (MALDONADO, 2015). A aquisição de bons hábitos alimentares deve ser iniciada desde cedo e de forma gradual, por isso é importante estimular a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas com o intuito de favorecer o desenvolvimento de ações que garantam a adoção de práticas alimentares mais saudáveis dentro e fora do ambiente escolar (NUNES et al., 2017).

Objetivo Geral
O presente projeto tem como o objetivo geral promover alimentação saudável no Centro Municipal de Educação Infantil (CEMEI) Professor Pedro Paulo Csizmar de Oliveira e na comunidade do entorno, utilizando as oficinas culinárias lúdicas como estratégia de Educação alimentar e nutricional.

Objetivos Específicos
Promover educação em saúde com o intuito de melhorar a qualidade da alimentação por meio da Educação alimentar nutricional promovidas de modo lúdico . Fornecer informações sobre a elaboração e preparo de alimentos saudáveis e nutritivos por meio de oficinas culinárias adequadas a cada público-alvo. Promover a integração dos escolares e a família com a horta comunitária favorecendo a utilização de alimentos de origem vegetal e plantas alimentícias não convencionais na alimentação na escola e no lar, principalmente pelas famílias já identificadas com algum nível de insegurança alimentar . Integrar o grupo de trabalho com os demais projetos do Programa de Agroecologia, Educação Ambiental e Soberania Alimentar. promovendo ações articuladas de conscientização do benefício da alimentação saudável e, agroecologicamente, sustentável.

Justificativa
A aquisição de bons hábitos alimentares deve ser iniciada desde cedo e de forma gradual, por isso é de suma importância estimular a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas com o intuito de favorecer o desenvolvimento de ações que garantam a adoção de práticas alimentares mais saudáveis dentro e fora do ambiente escolar (NUNES et al., 2017). Sendo assim, justifica-se a execução do projeto devido a sua vertente de ação educativa construtivista, com ênfase na prática culinária, que desperta nos participantes a importância da nutrição e saúde no seu dia-a-dia de trabalho na escola, bem como nas famílias em garantir uma alimentação saudável pelo preparo realizado pela própria família. Estas ações podem promover a soberania alimentar por propor o cultivo, a elaboração e preparo do alimento como atitudes possíveis e viáveis, consolidando os conhecimentos e transmitindo informações também as gerações futuras sobre a riqueza da cultura alimentar do Brasil e seu tão necessário resgate. Justifica-se também a continuidade deste projeto, viso que ainda serão necessários mais momentos em contato com o público-alvo, pois trata-se de uma comunidade com vulnerabilidade e que a abordagem deve ser gradual, mais eficaz na mudança de comportamentos insalubres, como a ingestão excessiva de gorduras, açúcares e sódio.

Beneficiário
Famílias, pré-escolares do CEMEI Professor Pedro Paulo Csizmar de Oliveira Alfenas, estudantes de outras escolas de Alfenas-MG., principalmente do bairro Santa Clara; acadêmicos e funcionários da UNIFAL envolvidos. Demais grupos da comunidade interessados.