ORGANIZAÇÃO DO TEMPO-ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: AS RELAÇÕES INTERIDADES

Apresentação
Projeto “Organização do tempo-espaço na Educação Infantil” será desenvolvido pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL) em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Alfenas (SMEC). O projeto nasce da demanda de formação de profissionais da Educação Infantil no que tange a brincadeira e a interação de crianças de diferentes idades. Desenvolveremos uma série de encontros nas diferentes escolas de Educação Infantil da municipalidade nos quais serão levantadas as condições da brincadeira em cada contexto, tendo como objetivo redesenhar com as equipes das escolas práticas pedagógicas centralizadas no brincar.

Introdução
As normativas nacionais dedicadas à Educação Infantil, colocam na centralidade da prática pedagógica com crianças nesta etapa da educação básica a brincadeira e a interação; Significa dizer que o trabalho pedagógico desenvolvido por unidades educacionais dedicadas à infância devem, necessariamente, nortear suas ações a partir destes dois elementos. Nota-se que, entretanto, a brincadeira e a interação apresentam-se, ainda, distante da realidade das escolas alfenenses, conforme relato da equipe pedagógica da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Com este projeto teremos a oportunidade de desenvolver com as escolas de educação infantil momentos de formação sobre a importância do brincas, bem como analisar cada contexto e propor, em conjunto com as educadoras, a reorganização da prática pedagógica amparada nos estudos e legislações mais recentes no que tange a Educação Infantil. O desenvolvimento se orientará por relações dialógicas entre a universidade e a comunidade, trata-se de superar o discurso da hegemonia acadêmica e substituí-lo pela construção coletiva de saberes e práticas em torno do objetivo principal desta propostas, ou seja, construir com as professoras da rede municipal um aparato teórico e prático sobre a importância da brincadeira e da interação na educação infantil. Metodologicamente, nos esforçamos em construir conhecimentos ética e cientificamente coerentes. Esta perspectiva, reunida na Metodologia Comunicativa Crítica (MCC) é, por definição, dialógica. Para Gómez, Puigvert e Flecha (2011), a MCC almeja não apenas explicar e entender as situações sociais, mas dirigir sonhos e utopias para transformar a realidade. Seu potencial está justamente em confrontar os conhecimentos acadêmicos com possibilidades reais de transformação com os sujeitos envolvidos nos processos sociais. Como referencial teórico, apresentamos a Aprendizagem Dialógica que, de acordo com Aubert et al., (2008), “caminha a ombros de gigante” (p. 25), pois baseia-se nas principais teorias e investigações da comunidade científica internacional, com enfoque interdisciplinar, analisando os problemas educativos e buscando superá-los por meio da construção de práticas solidárias e igualitárias. Assim, o projeto discutirá as exigências contemporâneas da formação de professores/as para a educação infantil a partir da contribuição de diferentes perspectivas para, em diálogo com os/as docentes e a comunidade, elaborar uma nova proposta pedagógica, processos de construção de novas práticas, reconfigurando a organização do espaço e do tempo e centralizando a brincadeira e a interação no processo de aprendizagem das crianças.

Objetivo Geral
Avaliar e replanejar os espaços da brincadeira nas escolas municipais de Alfenas.

Objetivos Específicos
- Discutir com as professoras da rede municipal a importância da brincadeira para o desenvolvimento infantil; - Analisar a prática pedagógica desenvolvida e reconfigurá-la com base na centralidade da brincadeira; - Compreender a infância em sua especificidade, bem como a forma como as interações favorecem a prática pedagógica.

Justificativa
As normativa legais que regem a Educação Infantil no Brasil (Diretrizes Nacionais da Educação Infantil e os Parâmetros de Qualidade) centralizam a prática pedagógica voltadas para infância na brincadeira e na interação. Estes dois eixos primordiais revelam a compreensão de que o desenvolvimento infantil tem neles o principal elemento. No entanto, sabe-se que as escolas continuam reproduzindo práticas 'escolarizadas' que desconfiguram a especificidade da educação infantil. Este projeto justifica-se pela necessidade de auxiliar as educadoras da infância a compreenderem a importância da brincadeira e da interação para o seu exercício profissional, discutindo coletivamente alternativas para a implementação de uma prática pedagógica que respeite os direitos assegurados constitucionalmente às crianças.

Beneficiário
Professores e professoras da rede municipal (centralmente os/as da educação infantil); auxiliares de desenvolvimento humano; estudantes bolsistas e voluntários/as do curso de Pedagogia e demais licenciaturas; equipe de coordenação pedagógica da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Alfenas