PLANTAS TÓXICAS: BELAS E PERIGOSAS

Apresentação
As plantas tóxicas são assim denominadas por apresentarem derivados do metabolismo da célula vegetal capazes de causar alterações com sintomas de intoxicação, podendo, em alguns casos, causar sérios transtornos provocando, até a morte da pessoa que fez a ingestão da espécie tóxica. No Brasil, a cada dez caso de intoxicação por plantas, seis ocorrem em crianças menores de nove anos. Isso está relacionado com a presença das espécies tóxicas nos ambientes públicos (praça, jardins, parques entre outros) e escolares. As intoxicações entre adultos também são frequentes, sendo causada, principalmente, pelo uso indevido e inadequado de espécies medicinais confundidas com as tóxicas, além de do uso ilícito de plantas alucinógenas e plantas abortivas. O objetivo do projeto é realizar trabalhos educativos e preventivos sobre plantas tóxicas junto a população de Alfenas e Região, visto que a principal causa de intoxicação por espécies vegetais é pela falta de conhecimento das mesmas.

Introdução
As intoxicações correspondem a uma parcela significativa dos números de atendimentos em hospitais e outras unidades de saúde. Dentre os agentes causadores de intoxicação, podemos destacar as espécies vegetais. Estas podem ser medicinais ou tóxicas. A identificação correta das espécies, entre medicinal e tóxicas, é um item de extrema importância para evitar graves problemas com intoxicação. A identificação de uma espécie vegetal pode ser feita de duas formas, a saber: 1) de forma empírica ou 2) de forma científica. A forma empírica, mais comum entre a população, se baseia na transmissão de conhecimento de identificação das espécies de pessoa para pessoa, feito quase que exclusivamente de forma oral. Essa forma de passagem de conhecimento tem como principal problema a possibilidade de confusão de espécies e também, o esquecimento por parte da pessoa receptiva da informação. Já a forma de identificação científica, se baseia na utilização de compêndios, livros, fotos entre outros materiais, que trazem a descrição, detalhada, da espécie. Essa forma de identificação tem como principal vantagem, a maior rigorosidade na identificação, além de evitar confusão de espécies medicinais com as tóxicas, uma vez que se utiliza de literatura especializada para a comparação com a espécies em uso. Portanto, o trabalho tem como proposta de ação a pesquisa, catalogação e elaboração de um compêndio (pequeno livro de informação) sobre plantas tóxicas. Com a elaboração do compêndio e distribuição, espera-se esclarecer melhor a população a respeito dos problemas e das plantas tóxicas, objetivando evitar a intoxicação com espécies tóxicas. A divulgação verbal, também será uma ferramenta a ser utilizado na ação do trabalho. Montaremos ciclos de palestras, voltadas para estudantes. Com essa ação, espera-se a formação de agentes de formação e dispersores (estudantes) dos conhecimentos, sendo que esses conhecimentos se difundam até o seio familiar, evitando, com isso, os graves problemas de intoxicação por espécies vegetais.

Objetivo Geral
Gerar informações e promover a divulgação de temas relacionados a intoxicação e prevenção de acidentes com plantas tóxicas.

Objetivos Específicos
-) Elaborar uma lista com as principais espécies tóxicas descritas na literatura; -) Capacitar um conjunto de alunos, de graduação, a respeito das plantas tóxicas descritas na lista (capacitação: conhecimento para identificar espécies tóxicas de espécies medicinais; conhecimento da composição química das espécies tóxicas; problemas de toxicidade causada pela espécie; possíveis tratamento da intoxicação); -) Elaboração do material de divulgação (pequeno livro informativo); -) Estabelecimento de ciclos de palestras entre os participantes do projeto e entre outros alunos dos cursos de graduação da UNIFAL-MG. -) Promover a divulgação dos conhecimentos e do material de divulgação para as pessoas residentes na cidade de Alfenas-MG e Região. -) Coletar novos dados de espécies com potencial tóxico trazido e/ou informado pela população participante.

Justificativa
As plantas tóxicas possuem substâncias que, por suas propriedades físico-químicas e químicas, que alteram o conjunto funcional orgânico humano, pois as mesmas são incompatíveis com a reações biológicas que ocorrem no organismo vivo. O grau de toxicidade depende da dosagem da substância e do indivíduo intoxicado. Embora haja substâncias tóxicas que, em dosagens mínimas, ocasionam sérios efeitos deletérios. Dados do Sistema Nacional de Informação Tóxico Farmacológica, coordenado pelo Centro de Informação Científica e Tecnológica (CICT-Fiocruz-SINTOX), revela que 84% do total das intoxicações, são acidentais. De cada dez casos de intoxicações por plantas no Brasil, seis são de crianças menores de nove anos. As intoxicações das crianças ocorrem, geralmente, com plantas cultivadas em vasos em ambiente domiciliar. Já as intoxicações de adultos, também são frequentes, sendo causadas principalmente, pelo uso inadequado de plantas medicinais (aqui há a confusão na identificação), plantas alucinógenas e abortivas. A intoxicação por plantas acontece, geralmente, por desconhecimento do potencial tóxico da mesma. Segundo Pinillos et al, (2003), a cultura e a desinformação da população, além da quantidade ingerida pelo acidentado são fatores que dificultam o diagnóstico e o tratamento em casos de envenenamento por plantas tóxicas. Sendo assim, o trabalho educativo referente ao conhecimento de plantas com potencial tóxico, se mostra de suma importância para prevenir os casos de intoxicação ocasionados pelo uso incorreto das espécies.

Beneficiário
O trabalho educativo será realizado em locais públicos da cidade de Alfenas-MG. Pretende com o desenvolvimento do trabalho, formar pessoas (adolescentes e adultos), capazes de reconhecer plantas com potencial tóxico. Além da capacidade de reconhecimento, pretende-se formar agentes disseminadores.