REABILITAÇÃO DE PACIENTES ONCOLÓGICOS

Apresentação
Trata-se de um projeto de extensão a ser realizado em parceria entre professoras dos cursos de Odontologia, Nutrição e Fisioterapia da UNIFAL-MG e profissionais da Santa Casa de Alfenas; e visa a reabilitação protética e acompanhamento nutricional e fisioterapêutico de pacientes oncológicos internados ou não.

Introdução
O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima a ocorrência de 600.000 novos casos de câncer para 2018. Os tumores em cavidade oral estão entre os dez mais incidentes (estimativa de 14.700 novos casos para 2018). Além das estruturas intraorais, olhos e pele também podem ser acometidos, levando a perda de estruturas na região de face1. O tratamento destes tumores costuma ser mutilador e deixa o paciente muito debilitado. Quando o mesmo é acometido na região de cabeça e pescoço, estas mutilações são muito evidentes por acometerem a face, região onde estão contidos os órgãos dos sentidos responsáveis pela comunicação humana2. Além do constrangimento que estas perdas provocam, elas podem gerar, também, dificuldades de alimentação e limitação da abertura bucal, dificultando, em alguns casos, o próprio processo de alimentação e a realização de procedimentos necessários para a reabilitação protética destes pacientes3. A melhora da nutrição dos pacientes oncológicos tem reflexo direto no fortalecimento do seu sistema imunológico, colaborando para a melhora do paciente assistido. Muitos problemas orais têm reflexo na saúde sistêmica dos pacientes. É protocolo que o tratamento oncológico de tumores presentes na região de cabeça e pescoço tenha início após o tratamento de focos infecciosos intraorais e é recomendado que procedimentos restauradores também sejam concluídos, visto que a radioterapia tem reflexos intraorais diretos, como por exemplo a redução do fluxo salivar, mucosite, candidose; mas também interfere nos ossos maxilares, representando uma ameaça a procedimentos cirúrgicos devido ao risco de necrose5. O tratamento envolve uma equipe interdisciplinar que deve trabalhar integrada objetivando a manutenção da qualidade de vida do paciente6. Porém, o paciente pode desenvolver problemas orais após o início do tratamento oncológico e/ou pode necessitar da confecção de próteses obturadoras palatina ou faringeana e, se o mesmo apresentar trismo, o tratamento odontológico fica muito dificultado, podendo ser impossibilitado em algumas situações. Nesse sentido, o tratamento fisioterapêutico é capaz proporcionar o alívio das condições sintomatológicas do pacientes, como também restabelecer a função do aparelho mastigatório, promovendo a desprogramação muscular e redução de cargas articulares7, a drenagem linfática da face e recuperar a abertura completa da boca, o que facilita a realização de procedimentos odontológicos que visam restaurar a saúde bucal do paciente e também promover condições para a reabilitação protética do mesmo8. Além dos procedimentos já citados, a reabilitação maxilofacial por meio de próteses auriculares, óculopalpebrais, oculares ou de face também é desejável pois, através dela, pode-se restaurar a aparência do paciente mutilado, o que desempenha papel importantíssimo na sua recuperação psicológica e retorno deste paciente ao convívio familiar e social sem constrangimentos9.

Objetivo Geral
- Reabilitar pacientes com mutilações bucomaxilofaciais atendidos no Centro de Oncologia da Santa Casa de Alfenas. - Permitir aos alunos dos cursos de Odontologia, Nutrição e Fisioterapia terem contato com este tipo de paciente e aprenderem técnicas que atuam na reabilitação do mesmo. - Gerar trabalhos de pesquisa a partir dos atendimentos realizados.

Objetivos Específicos
- Fornecer aos alunos envolvidos com o projeto conhecimentos teóricos e práticos suficientes para a confecção de próteses obturadoras palatinas, obturadoras faringeanas, oculares, oculopalpebrais, de língua, auriculares e maxilofaciais. - Fornecer acompanhamento nutricional e fisioterápico aos pacientes assistidos. - Incentivar a pesquisa a respeito dos materiais e técnicas utilizados na reabilitação de pacientes mutilados na região de cabeça e pescoço.

Justificativa
A realização do presente projeto se justifica pelo fato de a reabilitação protética de perdas na região orofacial não ser contemplada na grade de disciplinas obrigatórias do curso de Odontologia da UNIFAL-MG e também não fazer parte do tratamento fornecido pelo Centro de Oncologia da Santa Casa de Alfenas. Dessa maneira, os pacientes mutilados ficam sem ter a quem recorrer para que sua aparência e função sejam restauradas. O contato dos alunos de graduação das diferentes áreas de formação (Odontologia, Nutrição e Fisioterapia) com os profissionais da Santa Casa (médicos e enfermeiras) gerarão conhecimentos acerca da multidisciplinaridade e interdisciplinaridade que dificilmente seriam adquiridos nas aulas práticas convencionais; e o contato dos alunos com os pacientes oncológicos em recuperação promoverá um aprendizado e um crescimento pessoal muito grande; além de possibilitar a restauração destes pacientes.

Beneficiário
Pacientes atendidos no Centro de Oncologia da Santa Casa de Alfenas - MG.