MENTES BRILHANTES

Apresentação
O presente projeto visa abordar pacientes com transtornos mentais, vinculados ao Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Alfenas/MG, por meio de atividades lúdicas e realizar visitas domiciliares. As ações propostas visam estimular, contribuir, aconselhar, fortalecer e melhorar o vínculo dos pacientes que são vinculados ao CAPs de Alfenas/MG com a família, e inserir uma melhor perspectiva na saúde geral e bucal desses pacientes. Ademais as atividades desenvolvidas respeitarão o recinto familiar, nível cognitivo e comportamental dos pacientes e as orientações prestadas pelos profissionais que executam seu trabalho no CAPs. Serão propostas as famílias atividades educativas, preventivas, de promoção da saúde e de direcionamentos para uma melhor convivência, aceitação e entendimento quanto a Saúde Mental. Ademais será executado entre os pacientes no CAPs um exame clínico bucal e em caso de necessidade serão encaminhados para atendimento odontológico na Clínica de Odontologia da UNIFAL/MG.

Introdução
Os transtornos Mentais (TM) acometem a população em geral, e de acordo com a literatura, quase a metade da população brasileira pode apresentar pelo menos um episódio de algum transtorno mental durante a vida (PEREIRA et a., 2014). A saúde mental define-se como um campo de conhecimento específico, baseado num conjunto de práticas, conduzida por conceitos, ideias, demandas variadas e ideologias (AMANCIO, 2015). Esses valores e práticas foram mudando pelo mundo ao longo da evolução da história psiquiátrica, cuja transição do modelo asilar para um modelo de múltiplas entradas de serviço e cuidado originou a uma rede de atenção à saúde mental, definindo o Centro de Apoio Psicossocial (CAPS) como um dos seus pontos (LUCCHESE et al., 2009). O CAPS, dessa forma, é responsável pela descentralização do cuidado e da assistência aos pacientes com transtornos mentais do sistema público de saúde. O objetivo é que cada um dos setores envolvidos na construção da saúde seja responsável por uma parcela das demandas sociais a partir do conceito de Rede de Atenção Básica em Saúde, que foi instituído no Brasil na década de 1990 (ROSA E VILHENA, 2012). Assim, o CAPS tem a função primordial de reinserir pessoas com limitações associadas à saúde mental no convívio em sociedade, oferecendo apoio e atenção nos mais diferentes setores da vida de seus usuários e até mesmo buscar um melhor convívio familiar. O vínculo familiar com a equipe é fundamental, pois proporciona o fortalecimento entre pacientes, famílias e comunidade com a equipe e com alguns profissionais específicos que lhe sirvam de referência. Na visita domiciliar os agentes comunitários e os outros integrantes da equipe de saúde da família estabelecem laços com os usuários, conhece de modo progressivo a biografia de seus pacientes e solicitam apoio para suportar as relações com as pessoas que tradicionalmente são atendidas pela saúde mental (CAMPOS, 2007). Assim o objetivo primordial da visita domiciliar é buscar a capacitação das famílias para que estas possam utilizar recursos próprios, a fim de resolverem os seus problemas, incluindo-as no processo de tratamento, tendo em vista que é só a partir dessa capacitação que a família pode se sentir segura e confiante para lidar com os problemas suscitados, evitando as internações recorrentes e a consequente alienação social e a cronificação do usuário de saúde mental ( BRANDÃO, 2001).

Objetivo Geral
Proporcionar aos usuários do CAPs de Alfenas/MG momentos de autoconhecimento e aproximação entre si, entre os profissionais de saúde da equipe de Saúde Mental, além de, fortalecer o vínculo familiar.

Objetivos Específicos
- Auxiliar o desenvolvimento da capacidade reflexiva, cognitiva e motora dos pacientes; - Promover melhor qualidade de vida aos pacientes com doenças psiquiátricas acolhidos pelo CAPs/Alfenas através de atividades educativas e por meio de ações lúdicas e recreacionais; -Sensibilizar os cuidadores/responsáveis a respeito dos hábitos de saúde, a fim de que isso reflita em benefícios para os pacientes com transtornos mentais e para os outros membros do núcleo familiar; - Promover o conhecimento e o interesse acerca da psiquiatria e da psicologia entre os acadêmicos de Odontologia, favorecendo a eliminação de visões arraigadas ao preconceito; - Proporcionar aos acadêmicos participantes do projeto uma visão geral de saúde desse público alvo e estimular um envolvimento humanístico entre os membros; - Estimular uma análise reflexiva aos acadêmicos envolvidos no projeto para lidar com as adversidades que eventualmente surgirão; - Calibração dos acadêmicos envolvidos no projeto para a realização de um inquérito investigativo no leito domiciliar para uma padronização na forma de efetuar as perguntas e se posicionar frente as respostas; - Favorecer a construção de um saber multiprofissional através da relação dos acadêmicos com os funcionários e demais profissionais em exercícios de suas atividades; - Abordar a família de forma empática, uma vez que, na maioria das vezes, a intervenção terá como um dos objetivos a reorganização dos vínculos familiares; - Incentivar os pacientes e seus cuidadores/responsáveis a contribuir para uma melhor qualidade de convívio familiar; - Tentar estabelecer um diálogo entre os familiares para um melhor conhecimento acerca de comportamentos que poderão surgir entre os pacientes; - Sensibilizar a família quanto a forma de proceder a higiene bucal de todos os membros da residência como escovação, uso do fio dental, tempo de troca de escova e quantidade correta de creme dental; - Escuta qualificada nas visitas domiciliares e coleta de dados relacionados as doenças mentais e ao cuidado com a saúde bucal; - Orientar a família sobre os atendimentos nas clínicas odontológica para um melhor controle e atenção com a saúde bucal dos pacientes; - Encaminhar usuários com necessidades de atendimentos em saúde bucal para Estratégias de Saúde da Família onde esse serviço é ofertado, obedecendo a sua referência ou para as clínicas odontológicas especializadas da UNIFAL/MG.

Justificativa
As oficinas desenvolvidas no CAPs tem o intuito de promover e prevenir agravos à saúde mediante medidas de educação em saúde de maneira individualizada, possibilita sua implementação na população alvo despertando interesse por questões de doenças, orientações relacionadas às formas de organização do serviço, resolução de problemas e temas gerais de saúde (BRANDÃO, 2001). A prática das visitas domiciliares propulsiona a aproximação das equipes de profissionais da saúde com as famílias, principalmente quando realizadas por profissionais com diferentes abordagens e frequências. É uma estratégia que permite a construção de vínculos, pois proporciona ambiente e tempo emocional profícuo para um atendimento mais humanizado, indo além das orientações, com intuito de promoção da saúde e qualidade de vida das famílias (CENTA e ALMEIDA, 2003). Frente as fragilidades sociais as quais os familiares e usuários do CAPS estão imbuídos existe a proposta de realizar as visitas domiciliares, haja visto que esse é um dos principais dispositivos utilizados para acompanhar essa parcela populacional. Segundo Schrank e Olschowsky, 2008, essa ferramenta proporciona o diagnóstico da realidade do indivíduo e de sua família. A visita domiciliar tem um papel fundamental de capacitação do sistema familiar para que este possa se sentir seguro e confiante, podendo lidar com os problemas suscitados pelo convívio com a loucura sem a dependência dos técnicos. Dessa forma, pode-se dizer que, para se construir uma relação que subjetive a família, é necessária uma reforma pessoal, de reflexão acerca dos valores dos próprios profissionais, construídos nos seus espaços sociais e concretizados nas atitudes que estes constroem com a família e com o usuário de saúde mental (TENÓRIO, 2001).

Beneficiário
Beneficiará os usuários do Centro de Apoio Psicossocial, localizado no município de Alfenas/MG, os profissionais em atividades nesse local, a equipe executora do projeto (coordenadores e acadêmicos) e os familiares dos usuários buscando minimizar o sofrimento familiar.