UNIVERSIDADE ABERTA A TERCEIRA IDADE - UNATI

Apresentação
O programa Universidade Aberta a Terceira Idade (UNATI) é um conjunto articulado de ações de extensão (projetos em diferentes áreas do saber e eventos) realizado para atender a demandas do grupo populacional com idade igual ou superior a 60 anos, visando promover a qualidade de vida. Ofertado no campus sede da Unifal-MG, conta com a participação de oficineiros voluntários, docentes e discentes de diferentes unidades acadêmicas da universidade (Fisioterapia, Pedagogia, Nutrição, Farmácia, letras, Ciências sociais, Matemática, etc). Busca desenvolver atividades que estimule os participantes a exercer autonomia no viver, ter qualidade de saúde corporal e mental na perspectiva da pessoa idosa. São projetos que oferecem diferentes atividades de forma a estimular atividade física, cognitiva e motora, bem como exercitar o bem estar mental e emocional, contribuindo para a melhor qualidade de vida das pessoas envolvidas.

Introdução
A expectativa de vida tem aumentando progressivamente no Brasil, e a condição de idoso torna necessárias intervenções preventivas e multidisciplinares, que auxiliem na qualidade de vida dessa população, uma vez que, no processo de envelhecimento ocorrem declínios sistêmicos que afetam a funcionalidade, independência e autonomia. Após os sessenta nos, o bem estar físico, mental e o processo saúde-doença são fortemente influenciados pelas relações sociais e afetivas, contribuindo para melhor ou menor qualidade de vida do idoso. Assim, oferecer espaços para que as relações sociais e atividades laborais possam acontecer para a população idosa é de grande relevância. Nesse sentido em 2000 iniciou o programa para atender a demanda da chamada terceira idade, que articulava ações de extensão para esse grupo populacional, com a denominação de EFOATI - EFOA Aberta à Terceira Idade. Estas ações se desenvolveram na forma de projetos integrados e tiveram continuidade permanente mudando sua nomenclatura para UNATI – Universidade aberta à Terceira Idade, em 2005 quando a Universidade Federal de Alfenas foi homologada. Com a perspectiva de contribuir para melhoria da qualidade de vida da pessoa idosa, o Programa tem oferecido atividades para aproximadamente 400 idosos matriculados a cada ano. Em 2018 esse programa contará com projetos e um evento que buscarão estimular a saúde corporal e mental dos idosos colaborando para sua qualidade de vida. Por meio de oficinas lúdicas, atividade física, dança, artesanato, música, atividades de fisioterapia, tertúlia literária, aprendizado de língua estrangeira, estratégias de cuidado à saúde, dentre outras, viabilizará a interação entre os participantes de forma a conseguir os objetivos propostos. Contará com a atuação de estudantes de diferentes formações da UNIFAL-MG e professores de diferentes Unidades Acadêmicas, bem como membros externos à universidade que já colaboram nas oficinas a bastante tempo. As atividades são planejadas de forma a desenvolver atividades de pesquisa, ensino e extensão com os alunos, trabalhando a indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão, gerando impacto na formação de nossos acadêmicos, bem como colaborando com a atenção à política pública de saúde da população idosa, e compromisso social da universidade.

Objetivo Geral
O programa objetiva contribuir para a melhoria da qualidade de vida da pessoa idosa, auxiliando os níveis de saúde física, mental e social dessas pessoas, unindo as possibilidades existentes na Universidade com o potencial humano disponível na sociedade.

Objetivos Específicos
a) Promover a socialização, a autonomia, o laser e atividades corporais, mentais e de bem estar para a população idosa de Alfenas; b) Oferecer diferentes atividades, em diferentes horários, para população de terceira idade de Alfenas; c) Promover qualidade de vida para o grupo de terceira idade de Alfenas por meio de diferentes oficinas temáticas, com artesanato, leitura, música, atividade física, informática, jogos, estudo de línguas, dança, fisioterapia, etc.

Justificativa
O Brasil, como vários outros países, tem vivido, nos últimos anos, uma mudança no seu perfil populacional passando a caracterizar-se não mais como um país de jovens. Dessa forma, é de suma importância que a sociedade, o poder público e as universidades, auxiliem as pessoas na preparação para um envelhecimento saudável e passem a ver a pessoa idosa como prioridade para fomentar e ampliar programas que visem a melhoria da qualidade de vida desta população. A Política Nacional do Idoso, regulamentada em 1996 (Lei 8.842 - BRASIL, 1994), assegura direitos sociais à pessoa idosa, criando condições de promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade e reafirma seu direito à saúde nos diversos níveis de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS). No Brasil, também o direito a um envelhecimento com qualidade pode ser identificado na Lei nº 10741/2003, o Estatuto do Idoso, que apresenta: “É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária”. Reforçando a busca de um enfrentamento adequado das demandas da população idosa, foi também implementada a Política Nacional de Saúde do Idoso (PNSI) em 2006 (BRASIL, 2006), que tem como diretrizes a promoção do envelhecimento saudável, prevenção de doenças, a manutenção da capacidade funcional, assistência às necessidades de saúde do idoso, reabilitação da capacidade funcional comprometida, capacitação de recursos humanos especializados, apoio do desenvolvimento de cuidados informais (parcerias entre profissionais de saúde e cuidadores de idosos, com suporte e orientação de suas ações práticas) e apoio a estudos e pesquisas na área do envelhecimento. Para qualidade de vida é necessário associar o envelhecimento a um estilo de vida ativo, saudável e funcional. Diversos estudos comprovam que a realização de diferentes atividades sociais e de exercícios físicos orientados, favorece o retardo dos efeitos do envelhecimento, melhora a capacidade funcional dos idosos, diminui o sedentarismo, produz modificações positivas na auto-imagem, favorece a socialização e melhora a qualidade de vida. O programa UNATI, com seus projetos e eventos, realiza e promove atividades criativas e produtivas buscando resgatar a autoestima das pessoas, estimulando a contribuição do idoso. As ações focam na orientação das pessoas em diferentes áreas do conhecimento para a melhor compreensão dos problemas da pessoa idosa. O prolongamento da vida, de fato, é uma aspiração de qualquer sociedade e deve ser comemorado amplamente. No entanto, só pode ser considerado como uma real conquista na medida em que se agregue qualidade aos anos adicionais de vida. Assim, qualquer política destinada aos idosos deve considerar sua independência funcional, necessidade de autonomia, participação social, cuidado e autossatisfação. Também deve abrir campo para a possibilidade de atuação em variados contextos sociais e de elaboração de novos significados para a vida na idade avançada. Deve, ainda incentivar, fundamentalmente, a prevenção, o cuidado e a atenção integral à saúde das pessoas idosas (Veras, 2009; Moreira et al., 2013). Diante dessa realidade, uma equipe de docentes, técnicos de diferentes áreas da Universidade Federal de Alfenas -UNIFAL-MG (Fisioterapia, Enfermagem, Farmácia, Ciências humanas e sociais e Nutrição),vem desenvolvendo trabalhos, estudos e pesquisas relacionadas aos idosos e, partindo dos pressupostos de que a UNIFAL-MG como instituição formadora de recursos humanos em saúde tem a responsabilidade de capacitar profissionais para atuar na área geronto/geriátrica. A integração da academia com os serviços de saúde objetiva provocar uma reflexão das práticas em saúde com vistas a atender as reais necessidades da população de maneira mais efetiva possível. Desse modo, avaliar as condições de vida do idoso é importante para o desenvolvimento de alternativas válidas de intervenção em programas de saúde, políticos e sociais. Nesse sentido esses profissionais estão voltados à busca para fomentar ações que melhorem a qualidade de vida da pessoa idosa, realizando atividades extensionistas e de pesquisa, que impactam no ensino, na formação do estudante, e na questão social com a atenção na pessoa idosa.

Beneficiário
População de idade igual ou maior que 60 anos do município de Alfenas (MG)